imprimir

Usinas de biodiesel deverão produzir cerca de 12 milhões de toneladas da proteína neste ano

 O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) recebeu a confirmação de membros da União Brasileira do Biodiesel (Ubrabio) que não faltará farelo de soja para a fabricação de rações para animais no segundo semestre deste ano. O encontro ocorreu nesta quarta-feira, 8 de agosto, e contou com a participação do secretário de Política Agrícola, Caio Rocha, e do presidente da Ubrabio e da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel, Odacir Klein.

A previsão da associação é que sejam produzidos cerca de 2,4 bilhões de litros de óleo de soja para a fabricação de biodiesel em 2012, o que irá gerar aproximadamente 12 milhões de toneladas de farelo do cereal. Com essa perspectiva, avalia Rocha, o Ministério da Agricultura amplia a segurança para os setores que utilizam ou necessitam do produto.

 “Esta reunião amplia o nosso diálogo com o setor privado e traz mais tranquilidade. As usinas de biodiesel garantem que não diminuirão a quantidade produzida em relação ao ano passado e que poderão até registrar um pequeno aumento no volume de farelo originado”, destaca ele.

De acordo com Klein, as indústrias filiadas à Ubrabio cumprirão com as suas cotas destinadas à produção de combustível e oferecerão quantidade suficiente da proteína para a criação de suínos e aves. O biodiesel produzido no Brasil é composto por 80% de óleo de soja, 15% de sebo bovino e 5% de outras fontes, como o caroço de algodão. “Com a quantidade de litros que nós vamos entregar estaremos produzindo uma quantidade expressiva de farelo de soja”, afirma.