O Brasil é modelo para outros países quando o assunto é energia renovável. Segundo informações do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), atualmente, 85% da energia consumida no mundo vem de fontes não renováveis, ou seja, combustíveis fósseis, como o petróleo e o carvão. Essas fontes de energia são esgotáveis, ou seja, não há possibilidade de reposição. Aqui no Brasil, o cenário é diferente. Praticamente a metade da energia utilizada, cerca de 50%, é obtida através de fontes renováveis, como a biomassa, a energia hidroelétrica e os biocombustíveis, como o Biodiesel.
Tudo indica que esse número ainda há de crescer. A extensão territorial e os recursos naturais brasileiros podem ampliar a produção de insumos energéticos. A produção de oleaginosas para o Biodiesel, por exemplo, está em crescimento. Novas matérias primas são estudas e descobertas diariamente pelos técnicos da Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias (Embrapa). “Os avanços na substituição de combustíveis fósseis por biocombustíveis, como o etanol e o Biodiesel, servem de modelo e inspiração para outras nações”, destaca o chefe-geral da Embrapa Agroenergia, Frederico Durães.
De acordo com Durães, desde 2006, quando foi criado o Plano Nacional de Agroenergia, lançado pelo Mapa, o país se organizou. Foi o primeiro passo para a evolução da substituição do combustível fóssil pela sustentabilidade. Assim, foi criada a Embrapa Agroenergia, uma das ações deste plano. A unidade é responsável pelo desenvolvimento tecnológico para o aperfeiçoamento de matérias-primas para a produção de energia limpa. “Em quase quatro anos de funcionamento, a unidade alinhou sua atuação ao sistema Embrapa, que há 37 anos desenvolve trabalhos de pesquisas com excelência em produção de biomassa”, finaliza Durães.
Fonte: Mapa

print