imprimir

Você sabia que cada brasileiro consome cerca de 19 litros de óleo por ano? Este valor representa um total de 3 bilhões de litros gastos anualmente pela população do Brasil, que em vez de irem para o ralo podem gerar renda. É o que afirma David Keller, um dos responsáveis pelo Oliplanet. O projeto pretende motivar a reciclagem do material no pais, com a criação de um produto para melhorar a forma de coleta e um site para informar como e onde depositar todo óleo guardado.

De acordo com a Associação Brasileira para sensibilização, coleta e reciclagem de resíduos de óleo comestível (Ecóleo), menos de 1% do óleo de cozinha que é consumido, acaba reciclado. Uma parte dele é descartada na pia das cozinhas – ação que atinge a rede de esgoto, podendo provocar um entupimento da tubulação (o que aumenta as chances de enchentes). E, se conseguir passar por esta etapa e alcançar os rios, cada litro de óleo derramado pode poluir até 20 mil litros de água dos rios.

Keller defende que a melhor maneira de descartar o material é armazenando-o em garrafas PET. “Você encontra uma facilmente, elas têm boa vedação e são muito resistentes. Isso garante que o óleo chegue até a reciclagem sem atingir o meio ambiente”, destaca o profissional, que também comentou que, apesar de não se tratar de uma novidade, poucas pessoas o fazem. “Penso que as coisas precisam ser fáceis e práticas para funcionar”.

Para facilitar o manejo da ação, o Oliplanet é um material que tem a finalidade de escoar os líquidos como um funil. Ele permite a acoplagem na maioria das garrafas PET do mercado, servindo também como tampa da garrafa utilizada, segundo Keller.

Assista ao vídeo de apresentação do projeto:

 

A segunda parte do projeto é a criação de um website, que terá o papel de informar ao público os pontos de coleta, as recicladoras e as empresas que utilizam o óleo reciclado. “O óleo separado e reciclado gera renda e inclusão social para quem mais precisa. E, depois de reciclado, ele pode virar biodiesel, tinta, detergente, sabonetes e muitas outras coisas”, explica um dos responsáveis pela iniciativa.

Para ser efetivado, o projeto foi cadastrado no Catarse, site de financiamento coletivo, com o objetivo de atingir o valor de R$ 130 mil reais. Caso o valor total não seja atingido, os colaboradores receberão o investimento de volta. Até o fechamento deste post, 168 pessoas apoiaram a causa, somando um valor de R$ R$ 6.187. Ainda restam 40 dias para alcançar a meta.