imprimir

O “Projeto Macaúba da Zona da Mata”, coordenado pela Prefeitura de Juiz de Fora, será apresentado nesta terça-feira (20) no evento “UK Energy in Brazil 2018” no Rio de Janeiro (RJ). O evento é o maior do setor de Petróleo e Gás promovido pelo Consulado Geral do Reino Unido e Irlanda do Norte no Brasil, com o objetivo de reforçar a cooperação entre os países no setor de energia.

Na ocasião, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo (Sedettur), João de Matos, e o coordenador de projetos, Jackson Fernandes, vão expor as ações que foram desenvolvidas na região desde quando o protocolo de intenções para o plantio da macaúba foi assinado, em junho do ano passado. A iniciativa teve como objetivo garantir a recuperação e a preservação do bioma através do plantio desta palmeira nativa brasileira.

A apresentação dos representantes juizforanos está prevista para ocorrer na Plataforma Brasileira de Bioquerosene, no painel “Biocombustível e Biogás”. Essa frente de trabalho considera a possibilidade de a Zona da Mata Mineira se estabelecer como um dos mais importantes centros de produção e distribuição de bioquerosene de aviação.

Este é um esforço do setor para reduzir as emissões de gases que causam o efeito estufa, contribuindo com as metas brasileiras sustentáveis estabelecidas com a Organização das Nações Unidas (ONU).

Projeto Macaúba

A Prefeitura de Juiz de Fora assinou o protocolo de intenção do “Projeto Macaúba” no dia 5 de junho do ano passado. A iniciativa teve como objetivo de garantir a recuperação e a preservação do bioma através do plantio desta palmeira nativa brasileira.

A cidade também passou a contar com o tomógrafo para árvores para identificar por meio de sensores instalados nos troncos, possíveis apodrecimentos e outros comprometimentos das árvores sem danificá-las, evitando também, a queda delas.

A macaúba é uma palmeira nativa da Mata Atlântica com produtividade na fabricação de biocombústivel como alternativa em processos de reflorestamento. Desta forma, o projeto ainda prevê o aumento do volume de geração hídrica dos mananciais e o fomento econômico com geração de empregos e distribuição de renda na região da Zona da Mata.

A ação funciona em parceria com o Governo do Estado, Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Instituito Estadual de Floresta e as Universidades Federais de Juiz de Fora, Viçosa e Lavras.

O plantio das mudas serão feitos em áreas do Agronegócio Regional e em áreas degradadas.

Leia também

Documento lista estratégias para o desenvolvimento do bioquerosene no Brasil

Emitir vai ficar mais caro para o setor aéreo